A Fundação Narciso Ferreira, Instituição Particular de Solidariedade Social, vem por este meio comunicar a tomada de decisão dos seus Órgãos Sociais, face aos últimos desenvolvimentos motivados pelo Estado de Emergência Nacional decretado pelo Governo entre meados de março e final de abril de 2020, devido à Pandemia do Covid-19, nomeadamente no que às Rendas dos Inquilinos diz respeito.

As grandes preocupações com o assunto do Covid-19, que veio influenciar o quotidiano das populações, não passou ao lado da Fundação Narciso Ferreira. Aliás, no cumprimento escrupuloso dos seus Estatutos, e quando grande parte do comércio e da atividade económica se encontrava encerrado, a Fundação esteve no terreno apoiando largas dezenas de famílias carenciadas, quer na distribuição de bens alimentares, frutas e legumes, quer na facilitação do acesso dos mais vulneráveis, a medicamentos, a material de proteção e a material escolar/pedagógico, de forma a que as pessoas não tivessem necessidade de sair de casa para obter o que mais precisavam, já para não mencionar outros casos de pedidos de ajuda.

Perante esta missão de apoiar as famílias mais pobres e necessitadas, que muito nos orgulha apesar do esforço suplementar que tivemos de fazer nos últimos 2 meses, uma vez que a Fundação Narciso Ferreira não tem apoios externos e viu a única receita de que dispõe – as rendas do aluguer do seu património – seriamente comprometida com o atraso no pagamento de algumas Rendas, o que compreendemos, ainda assim conseguimos prestar apoio urgente e emergente, principalmente às crianças.

Deste modo, sensíveis e solidários com os nossos Inquilinos – congratulando-nos antes de mais com aqueles que conseguiram, até à presente data, regularizar os pagamentos -, que manifestaram durante a primeira semana de maio, as dificuldades sentidas em cumprir as suas obrigações perante o encerramento decretado pelo Governo, e que deste modo não tiveram oportunidade de manter os estabelecimentos comerciais abertos, a Fundação Narciso Ferreira decidiu facilitar o pagamento dos meses de abril e maio em prestações suaves, até final do verão do presente ano, a pagar mensalmente em parte iguais.

Neste âmbito, e tendo em conta as dificuldades da Fundação Narciso Ferreira também em cumprir as suas obrigações, face ao atrás exposto, só conseguiremos continuar a nossa missão de solidariedade social com as receitas das Rendas, tendo inclusivamente, ainda em março, cancelado todas as ações culturais e educacionais (pese embora também contempladas nos Estatutos) que estavam previstas até final de agosto, com o intuito de canalizar todos as verbas para a ajuda aos mais pobres.

A exemplo, no próximo dia 18 de maio, pelas 15h00, a Fundação Narciso Ferreira irá distribuir, nas suas instalações, 50 cabazes de produtos de primeira necessidade a 50 famílias identificadas como prioritárias na ajuda mais emergente, pretendendo continuar com a iniciativa, através do projeto Fundação Solidária. + info www.fnarcisoferreira.org

O Presidente da Fundação Narciso Ferreira, Raúl José Ferreira